Comunicação Corporativa

Construindo marcas fortes: o papel vital da comunidade, por Por Daniel Levy

Em um cenário dinâmico e interconectado, a construção de marcas fortes deve ir além de estratégias convencionais de marketing. Uma peça fundamental desse quebra-cabeça omnichannel é a construção e a gestão de comunidade que se forma em torno de uma marca. Ela é a responsável por criar cada vez mais proximidade com os clientes, estreitando laços com as pessoas que já consomem seus produtos e serviços, monitorando suas necessidades e suas impressões a respeito da marca ou empresa.


06/03/2024 13:04
Construindo marcas fortes: o papel vital da comunidade, por Por Daniel Levy Imagem: Divulgação Visualizações: 246

Tem sido essa a base da estratégia de negócios, marketing e comunicação das marcas que estão se destacando, independente do segmento da economia. Usam estrategicamente ferramentas já conhecidas proporcionadas pelo digital como redes sociais, eventos online, assistência virtual, canais de transmissão, sites e plataformas que não só facilitam o feedback e a interação, mas também promovem a cocriação de conteúdo e ideias, permitindo que a comunidade contribua ativamente para a evolução da marca e reforce o engajamento mútuo.

Com a incessante disputa de atenção no mercado, tudo que for mais autêntico, nichado e personalizado de acordo com o canal e momento do usuário, tanto para a área de vendas quanto para a área de marketing, traz uma maior satisfação ao cliente. A utilização de canais de transmissão e outras ferramentas para aproximar da base mais engajada e chamar o público para interação é fundamental.

Além disso, uma das ações é o UGC (User-Generated Content), conteúdo gerado pelos próprios usuários em oposição ao conteúdo criado pela marca ou pela empresa. Por ser autêntico, é uma poderosa e envolvente ferramenta de marketing. Por meio do UGC, constrói-se relacionamentos com os consumidores, impulsionando confiança na marca. Além disso, incorporar estratégias eficazes para incentivar e gerenciar o UGC pode ser a parte fundamental de um plano de marketing de comunidade bem-sucedida.

Um case de construção estratégica vale ser mencionado, conduzido pela Road. É o caso da Bienal do Livro, evento da GL Events, que um ano e meio antes da última edição chegar, de 40 anos, aqueceu a comunidade - parte fundamental no sucesso da comunicação com a audiência - aproximando-se de uma geração mais jovem, com a criação de conteúdo para as redes sociais, o que não era comum para o evento, que apenas trabalhava com o público próximo da data.

Para se ter uma ideia, no período de janeiro a setembro de 2023, o Tiktok da Bienal do Livro, teve números excelentes: 95 vídeos postados, 2M de views, 44.8K novos seguidores e 134.4K curtidas. Já o Instagram, no mesmo recorte, teve 106.208 novos seguidores, 1882 curtidas por post em média, 46 comentários por post em média e +6M views em vídeos. 

O marketing de comunidade não é apenas uma estratégia de negócios, mas uma abordagem que reconhece a importância dos relacionamentos humanos, na complexidade do cenário atual. Em um mundo dominado por algoritmos, é de suma importância as habilidades humanas para o sucesso da revolução tecnológica. Ao investir na construção de comunidades sólidas, as marcas estão não apenas impulsionando seus negócios e mercado, mas também estabelecendo bases duradouras para o sucesso, fundamentadas na confiança, lealdade e autenticidade. 

Daniel Levy é cofundador e CEO da Road, adquirida pela V3A em 2022, e atualmente é membro do conselho na Roda.io e investidor em 4 startups. Formado em Marketing na PUC-RJ com continuação em Finanças na COPPEAD e cursos de Estratégia e Gestão Empresarial na Harvard Business School e de Private Equity & Venture Capital no Insper. 

Fonte: redação TN com assessoria

Foto: divulgação

Newsletter TN

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

19